21 janeiro 2017

Bolas paradas em jogo lento

Medonha mediocridade pontilhada com falhas inacreditáveis de jogadores experientes e uma inusitada eficiência nas bolas paradas em que Alex Telles voltou a ser primoroso nos cruzamentos.
Casillas deu um frango monumental um ano depois da barraca de Guimarães e Layun voltou a comprometer dolosamente ao ponto de escapar a justa expulsão e cometendo gp imprópria que devia dar lugar a despedimento com justa causa.
O Rio Ave chegou a 2-1 no início da 2a parte e o empate de há um ano que forçou a saída de Lopetegui fazia sugerir que o NEScio também não poderia escapar agora. Depois de Felipe fazer 1-0 em livre lateral por Alex Telles, Marcano e Danilo deram a volta em pontapés de canto. Mau posicionamento defensivo do visitante, enquanto a bola corrida e o jogo fluido com ideias, velocidade, ganhos nas divididas e dribles a tornar fácil o 1x1, tudo tão estranho ao FC Porto sempre aos repelões e acabando o jogo com menos posse de bola (!), faziam a equipa de Luís Castro passear por todo o relvado do Dragão. De canto o 3-3 esteve iminente por Marcelo e a melhor jogada individual e de bola corrida do FC Porto, por João Carlos Teixeira, teve a cabeça de Rui Pedro para respirar de alívio.
Tal como com o seu golo ao Braga aos 90+6, hoje também ajudou a manter um treinador que atrofia a equipa com futebol lento e improficuo também por teimar em jogadores que são uma lástima e fazer más substituições. Layun é definitivamente um caso perdido e Corona arrasta tanto a sua insignificância que se lesionou sozinho antes do intervalo. Oliver voltou a não existir e nunca um meio-campo assim pode tomar conta de um jogo, com Herrera esforçado mas inconsequente que acabou a lateral-direito com saída de Layun por mais de uma vez com expulsão perdoada.
A tropa fandanga mexicana este ano enterra o sentido colectivo e os espanhóis desta vez ajudaram, à excepção de Marcano. NEScio perdeu (ou beneficiou?) Corona e não lançou outro extremo, como Kelvin, nem para repetir a troca directa do último jogo. Meteu André André para empurrar o jogo lento com Herrera. Só Danilo se salvava no meio-campo e se a lesão de Corona impôs alteração, a burrada de Layun na gp que lhe poupou a expulsão fez entrar Rui Pedro recuando Herrera para defesa. Já não haveria mais futebol, já só miragem antes, e dois cantos mudaram o jogo. Com João Carlos Teixeira que se recusa abater com a indiferença do treinador, foi possível ter bola num corredor e dali cruzou para um quarto golo da tarde de cabeça numa equipa sem pés nem a dita, na iminência de uma derrocada.
Bem lembrou Evandro que jogam sempre os mesmos mas são eles que vão provar ao NEScio que o treinador erra e não aprende. Como se o panorama não seja este há muito visto, com a aflição que se sabe é mesmo em casa os jogos aflitivos que não dão tranquilidade a ninguém é muito menos confiança para o título quando o FC Porto contrata em Janeiro Assis ao Chaves só para evitar reforço do Braga e mantendo o médio no Desportivo até final da época.
Falta qualidade na equipa e temos mais da mesma pasmaceira da SAD, a par da do treinador de trazer por casa. O Sporting, entretanto, ficou mais longe, veremos o Braga amanhã mas 1 pt do Benfica a jogar assim é, de facto, nada, melhor, é ridículo e hoje a arbitragem até ajudou ao não expulsar o estúpido Layun ainda que tenha impedido Rui Pedro de se isolar com mais um criminoso fora de jogo que devia dar irradiação do maldito auxiliar.
Mais uma má arbitragem do Jorge Sousa, incapaz de ser coerente no capítulo disciplinar e mal auxiliado.


15 janeiro 2017

Três pontos apenas

Três golos, mas sem exibição de encher o olho fica só a vitória e outra aproximação à liderança sem que se vislumbre melhor com futebol aos repelões que não fez jus ao resultado.
Kelvin voltou mas ficou perdido no jogo insosso da equipa já contra 10 na 2a parte. Os SuperDragoes cantaram por Pinto da Costa e confirmam o apoio implícito a uma SAD incompetente que desagrada à maioria dos adeptos. Nada de novo, a não ser a crónica incapacidade de Corona cruzar levou ao ineditismo de Alex Telles marcar cantos na direita do ataque.
Foi de Marcano (corrigido), acidentalmente, a assistência para a inauguração de Oliver, capaz de rematar de primeira dentro da área, sem a equipa alguma vez o fazer de fora. O 2-0 também surgiu algo por acaso numa recarga de André Silva após insistência de Corona que fez um mau remate como quase todos de Danilo  Herrera e André Silva.
O 3-0, de Marcano quase a pé fixo, sozinho, frente à baliza, levou a outra anomalia, pois foi de canto que o FC Porto nunca cria perigo. Tudo fora do contexto habitual, após jogos com mais jogo corrido e oportunidades claras que esta noite.
Oliver continua longe da definição na proximidade da área apesar de ter marcado. Corona participou em dois golos não obstante continuar sem velocidade e menos ainda dá finalização capaz demonstrada na época passada. Só Alex Telles cruza em condições e dá profundidade ao ataque. Um 3-0 que acrescenta pouco ao 4-0 da Feira, por exemplo, numa 1a volta que acaba com -2 pontos do que há um ano.

13 janeiro 2017

Sabem como o Santiago Bernabeu acabou?

O trabalho que O Jogo faz hoje sobre a longevidade recorde de Pinto da Costa no FC Porto, quando se acentua a decrepitude do presidente cada vez mais com contras do que prós, não só relembra que o antigo presidente mítico do Real Madrid morreu no cargo - o que se vaticina facilmente no Dragão.
Falta dizer que, já agora, este recorde de Pinto da Costa, por muito que tenha feito, e fez, e ganhado, como ganhou, acompanhará o feito inédito do Benfica tetracampeão, algo que nem eles imaginavam ser possível.
O timing é, finalmente, fatídico para evocar isto, para mais porque falta ainda ser dito o que marcou a despedida de Bernabeu em Chamartin: em 1977 o Real Madrid falhou pela 1a vez a qualificação para as provas da UEFA. Algo que se repetiria em 1997, por exemplo, mas a ausência das competições europeias é um marco.
Com o FC Porto do decrépito presidente nunca se sabe que falsos patamares históricos se atingem. É que as proezas propriamente ditas começam até à ficar arredias da memória. E isso é muito negativo
 E mau mesmo, já não basta outro fiasco pelo 4° ano consecutivo. De recorde em recorde.

12 janeiro 2017

Dragões a parir ratos e a chamar patos aos adeptos

Então foram dois representantes do FC Porto à reunião com os gajos dos árbitros e saíram (João Pinto e Jaime Teixeira) calados depois de entrarem mudos?
É o que reporta O Jogo hoje mas não admira.
Os gabinetes nunca foram para o ex-capitao e o amanuense da escrita, que supinamente ascendeu a representante do FC Porto nos sorteios da UEFA (ao lado de Fernando Gomes) nunca se entendeu o que faz por ali, além de ter um tacho com que nada produziu alguma vez...
Queixar-se que um árbitro marca gp no Guimarães-Benfica em lance igual ao que outro árbitro não marcou num Moreirense-FC Porto, é dar mais trabalho ao Francisco J. Marques do que era suposto...
Então nos lances escalpelizados pelos gajos dos árbitros falam de bola na mão e mão na bola nos jogos do Benfica e não se pergunta porque Jorge Rouba no FC Porto-Guimaraes e o Artur Sonso Dias no Porto-Benfica anularam golos de forma inexplicável?
Quem representa o FC Porto para lá do diário de caserna através das redes sociais que o decrépito presidente desvaloriza, não acompanha e não entende a utilidade?
Andamos, como os parvos americanos das CNN desta vida, atrás de gambuzinos nas trocas com russos e diatribes de fake news com infos supostamente secretas desmentidas no dia seguinte; ou como os pacóvios tugas a discutir posicionamento de Trump face à imprensa em vez dos 4,2% dos juros a 10 anos?
O ridículo está a matar o FC Porto!

11 janeiro 2017

Jesus condenado e o nulo espírito santo

Depois de tantas tropelias no Benfica, algumas até com direito a prisão, como na alteração em Guimarães com força da ordem e interferindo por causa de um adepto, Jesus não só percebeu em Alvalade quem lhe permitiu ganhar algumas coisas na Luz, sob manto protector da arbitragem de que agora se queixa, mas acima de tudo a impunidade de que gozou em termos disciplinares.
Agora leva 15 dias efectivos de suspensão, como se fosse agora agravante todo o período de vício vivido sem ameaça ao serviço do Benfica.
Mas na arbitragem, Jesus ainda enfrenta o "monstro". Foi capaz de dizer, em conferência de imprensa, quanto foi prejudicado no derby da luz, que perdeu com razões de queixa, como a seguir insistiu, como causa para maus resultados mas sem se escudar nas arbitragens europeias numa calamitosa eliminação das provas da UEFA, que a crise de resultados nas provas domésticas "vocês já sabem, a nossa crise chama-se Jorge Sousa" (corrigido), citando directamente a arbitragem do Benfica-Sporting.
Ainda agora, a respeito dos árbitros, que só o manto protector quer manter acima das suspeitas porque as imagens não permitem encobrir mais pouca-vergonha em defesa dos árbitros, Jesus disse com todas as letras, no domingo, "lutar contra tudo e contra todos".
Ora, está expressão foi utilizada pelo inútil e baço, cobarde e medíocre treinador do FC Porto, no treino do clube de boas festas, a 1 de Janeiro, quase a medo, em família, não como um grito de revolta, proclamado aos quatro ventos e perante microfones de múltiplas rádios e tvs, mas como uma homilia familiar reservada, como para entreter e comungar um ecumenismo que o seu perfil de baixa estatura de carácter e reduzido nível técnico, lhe permitiu, quase a contra-gosto, palrar.
Esta diferença vê-se na forma aguerrida como a equipa de cada um se mostra em campo e irá, como na época passada, espalhar-se na classificação.
O FC Porto está entregue a um menino de coro só querendo que não o chateiem e lhe permitindo "levantar a cabeça" a cada confrangedora exibição, como mais uma em P. Ferreira.
Depois andam, como pardalitos, à procura de inimigos internos a safar o tacho de cada um.
O NEScio faz o mesmo, porta-se como um assessor, funcionário de elemento alheio que é Jorge Mendes.
Daí à inacção no mercado de reparação é o reflexo do não me chateiem que eu não posso nem quero ter nada a ver com isto.
Infelizmente, até muitos bloggers já entendem o que há meses ando a dizer: jogadores que não rendem, sistema de jogo improdutivo e treinador que afunila o jogo e não fez nenhum atleta melhorar acima do que vale. O treinador já devia ter sido substituído. Já que a SAD é inamovível e os patetas pagam principescamente a medíocres administradores e portistas agarrados a cargos e salários.

07 janeiro 2017

NEScio até rebentar

Sempre tive noção de aquele golo de Rui Pedro ao Braga prolongou a agonia deste futebol inconsequente que se espelha no apático técnico da treta que arrastou a equipa até aqui.
Só gente muito parva se dispõe a apoiar está miserável tristeza que dá sempre um jogo sem profundidade, sem rasgo, sem médios a chegarem à área, sem novidades, sem chama, sem nada.
O futebol portista vulgarizar como antes com os treinadores da treta que não fazem volume de jogo e deixam a área contrária como parque infantil onde desemboca a puerilidade do Oliver pluma, do Corona que não faz mal a uma mosca, do Herrera que o idiota do treinador aproveita tanto como o João Teixeira.
É tão triste quanto era óbvio que aquele balão cheio de nada ia trazer mais desespero de tanta inoperância que é alarmante.
O clube de boas festas só quer ganhar ao Benfica e ter gente no primeiro treino do ano para os basbaques encherem o peito, mesmo quando o decrépito presidente teima em abandona-los.
A carneirada tem o que merece. O NEScio vai durar até Fevereiro.

03 janeiro 2017

Clube de boas festas

Ninguém se demite; ninguém é demitido. Não há comando. Não há rumo. Não há nada. passa o tempo, devagar.
O decrépito presidente teima em levar para a cova o clube em autodestruição.
O NEScio com discurso redondo, vago, medroso, é o prolongamento sem chama do moribundo ex-líder desta tropa fandanga que uma vez foi o FC Porto.
O estúpido treinador vê a equipa jogar à sua imagem: absurdo, apático, alheado, ausente. Julga, ainda, juntar Herrera e André André para fazer funcionar, qual deles mais arrastadeira, um antiquado escarpado a pedal...
Eis mais um tapete tirado debaixo dos pés deste patarata, mais um da escolha do patético presidente que era suposto saber escolher treinadores.
NEScio dizia ser ridículo temer ter -4 pontos para a liderança do campeonato. Na taça da treta, que ele uma vez fodeu com 2 frangos monumentais numa final no Algarve, só fez 2 pontos contra Belenenses e Feirense - e ainda perdeu 2 jogadores como Danilo e Brahimi.
Mais estúpido não se pode ser, na esteira dos antecessores fracassados e de adeptos de boas festas que vão nas tretas do lirismo bacoco e discursos de vão de escada.
Depois do 2016 com pouco mais de 50% de vitórias. Depoitre mais uma pausa natalícia desgraçada por resultados vergonhosos, em Fevereiro o FC Porto estará acabado pela Juve e sabe-se lá o quê na Liga.
A lavorare, andato a lavorare!

29 dezembro 2016

Corona faz uma amiga lembrar-se de mim

Mais um jogo sem um cruzamento de jeito, mais um jogo a fazer nada de verdadeiramente de jeito.
Decerto uma amiga minha, a quem repetidamente tenho alertado para a improficuidade do Corona, vai voltar a lembrar-se de mim. Porque ela sofre com isto mesmo... E já aprendeu a avaliar certas coisas que os jogadores fazem, ou não, em campo.

19 dezembro 2016

Ganhar com o que faltava

Virar mais um jogo pelo resultado na 4a vez, uma com o Brugge na LC e 3 na Liga do mau futebol, comprova a tenacidade do FC Porto mas nunca esteve em causa o carácter e a entrega dos jogadores, antes as escolhas e as acções de NES.
Em 5 minutos deu-se a volta com o que vinha faltando: uma torre como Depoitre, a fazer 1-1 em defesa cerrada e não batida pelo ar, e uma meia distância com que Danilo, infeliz no ressalto do 0-1, operou a reviravolta.
Foi o que sempre eu vim denunciando, mesmo no jogo das reviravoltas dos empates com o Braga. Nesse jogo Depoitre ficou na bancada e a agonia foi extrema na finalização, com más idas à linha e péssimos cruzamentos, um jogo que o NEScio preparou com Alex Telles no banco e Layun em campo como um desastre tecnico-tactico.
Alex Telles voltou hoje a garantir um golo com cruzamento brilhante. Ao invés, depois de Diogo J sempre imberbe sair por Depoitre, de Rúben Neves render Oliver e João Carlos Teixeira substituir Brahimi, vimos a mesma inoperância de Corona já também no limite da exasperaçao e cujo enesimo cruzamento falhado deu, na ressaca, o golo de Danilo a pegar bem na bola a quase 30 metros.
Convém sempre destacar que as críticas não são destrutivas por denunciarem o que está mal e deve ser melhor absorvido nas vitórias. NES vai conseguindo provar por si mesmo os seus erros sem deixar de os cometer, como na insistência em Corona. Entretanto, ficamos a saber que Layun está lesionado...
O carrossel de emoções continua no Dragão, tal como o dos árbitros que já é tão alheio ao conhecimento pueril do velho e decrépito presidente. O Vasco Santos também é isto há anos e desde que o caracterizei num fácil Porto-Leixoes. Mais um golo mal anulado e mais um penalty por marcar só fazem jus a fama que vem de longe mas o patético Pinto da Costa perdeu a memória e os papéis.
Entretanto, 4a feira há mais um árbitro do Porto na berlinda, o irmão do Paulo Costa na Luz com o beato cicerone Vieira a distribuir indulgências urbi et orbi à laia do velho e já sepultado papa dos afectos.
Estas coisas não acontecem por acaso, nem jogadores do Marítimo e do Chaves rodeiam mais os árbitros no Dragão do que os do FC Porto...

Adenda: depois de publicado o jogo, ouvi por acaso o decrépito presidente dar um ai ou aí de presença. Sem deixar de não mencionar o que dantes afirmava sem rebuços, que um árbitro não tem condições de apitar e agora só recomenda atenção à CA. Sempre preferia falar do mercado do Bolhão... nada de novo. Nem sequer se há almoços no Sapo, já que em tempos declinou falar de vouchers por ser de encher papel!
E os 15 penalties por marcar são como os 15 que em 2008 também não marcavam e o FC Porto não protestava...

17 dezembro 2016

Paixão fácil do penalty

A facilidade com que marcam gp favoráveis ao Benfica, como esta noite na Amoreira, contrasta com a dificuldade de as marcar a favor do FC Porto. Não certamente por acaso ou sequer inocentes nomeações dos capangas de Setúbal, o Burro Esteves sonegou na 5ª feira uma ao FC Porto, claríssima, por derrube a Maxi, e há pouco o inefável Burro Paixão não teve rebuços em considerar mão um lance que seria acidental noutras circunstâncias, com o defesa estorilista com o braço no chão a apoiar o corpo caído.
Não admira, o Vieira repete que quer ser Tetra campeão com toda a arbitragem a favor e é fácil assim, o andor segue o seu caminho como a coindiência de nos clássicos só um ter sido favorecido, outro só prejudicado e o terceiro nem carne nem peixe...

Lembre-se que na época passada, depois de golos anulados que não lembravam ao diabo e muitas gp por marcar, mesmo numa equipa que jogava mal mas assim perdia em casa com Arouca e Tondela desta vida e porca miséria, na parte final do campeonato, com tudo resolvido e o FC Porto devidamente afastado, foram marcados, sem dúvidas, algumas gp, uma delas por Burro Paixão, precisamente, com uma facilidade de pasmar, em Vila do Conde, mesmo tendo sido evidentíssima a falta na área, mas com este ás sadino e suíno nunca se sabe, nunca se soube e ninguém reclama mais.

É só isto. E,  como tudo aperta no cu do Vieira, para a próxima jornada lá haverá um guardião protector para a equipa que não joga um corno e é suplantada em jogo jogado por equipas de maior categoria, como FC Porto, Sporting e Nápoles.

Não é por acaso ou acidente. É assim. É isto.