21 junho 2017

Nem impugnação nem imagens de Rui Costa

O Torto Canal volta a não existir como programa televisivo, que tem de valer por imagens.
Passou um mês do fim do campeonato e, creio, o tempo para impugnar a competição ferida de legalidade.
Dedicar-se a desfigurar o Pedro Guerra, por muito ou pouco que represente o Benfica; ou deixar em dúvida a honorabilidade do presidente Luís Filipe Vieira não adianta muito. Os portistas ou não sabem ou não querem saber. Os benfiquistas idem.
Pior, do consulado de Mário Figueiredo na Liga, e com outro trafulha como o então presidente da AG da Liga, Carlos Deus Pereira, são peaners.
Há claro nexo de causalidade entre emails com ameaças aos árbitros, mais o caso de Rui Costa revelado no Expresso, mas não se metem nem imagens nem do jogo em que se mudou a nota do árbitro, com efeitos sobre a acção dos árbitros. Nem imagens de outros jogos. Que porra de jornalismo televisivo é este?
Então, o Xico Marques põe em causa os campeonatos passados e não há impugnação do campeonato? O FC Porto continua, institucionalmente, sem dar um passo formal? E pede-se que o CD actue? E se não chegar queixa formal? E se recusarem, convenientemente, acudir a noticias de jornais ou programas televisivos que podiam ser radiofónicos?
Não sei o que o FC Porto pretende obter SÓ com isto.
Percebi quem é um Pedro Bragança no programa designado como Twitter do Baluarte Dragão mas que se preocupa muito com benfiquistas e menos com portistas - aliás, a nota dominante de todo o programa.
Outro assim é deixo de ver! Este foi apenas o segundo que vi...

17 junho 2017

A sério que o Benfica queixou-se do Rui Costa?

Na notícia de hoje do Espesso, que não li para lá do título, o tráfico de influências benfiquista volta, uma vez mais, a superar o surreal, com queixas de Rui Costa e ordem para abater à nota, descida de 3,5 para 2 pontos.
Se prova fosse precisa do condicionamento dos árbitros, por ameaças mais ou menos explícitas como bastam via as pontuações e classificações no final da época, como prova o caso do árbitro madeirense despromovido depois de apitar a final da Taça normalmente atribuída ao melhor da temporada, por ironia, basta ver a súmula de erros em favor dos encarnados para perceber a mudança de rumo, se existiu, nas arbitragens daquele árbitro portuense.
De memória citânia meia dúzia de jogos de Rui Costa e uma dúzia de motivos para perceber como era beneficiar o Benfica é prejudicar o FC Porto.
Nas últimas aparições deste fantasma no Dragão, então, foram só empates com penaltis por marcar para o FC Porto.
Ter o Benfica queixas de Rui Costa, como de Jorge Ferreira do Funchal, é de rir, mas o assunto é mais que sério e percebe-se tanto o Benfica estar seriamente entalado como loucamente obcecado com o controlo absoluto dos jogos via árbitros - e não faltam resultados escandalosamente preparados em favor do Benfica, algo que se via nas transmissões televisivas mesmo que silenciadas na comentadeirice de cartilha e sonhadas nos títulos de imprensa.
Que seja, ainda, Rui Costa, que sempre foi medíocre, um alvo do Benfica, mas cedo manietado e domesticado, remete para a sibilina pergunta que um dia fez Luís Filipe Vieira, nunca respondida, dirigida a Vítor Pereira: "Perguntem a Vítor Pereira porque não nomeia Paulo Costa para os jogos do Benfica"...
Uma pergunta que os pés de microfone, sempre agachados ante estes ídolos de pés de barro, nunca fizeram, nem ao presidente do Benfica, nem ao dos árbitros nem a eles mesmos, tristes figuras decorativas que nada decoram de útil para a dignificação da sua profissão.
Já sabem, porque parece que estes nomes são todos desconhecidos, que Rui Costa e Paulo Costa são irmãos e este é, agora, dirigente da comissão de arbitragem que o Benfica deixou, subitamente, de estranhar, porque rapidamente entranhou o procedimento para viciar os jogos.
Como se nunca se tivesse visto nos títulos encarnados neste século...
Agora, o Torto Canal precisaria do arquivo do dr. Poncio para um vídeo ao árbitro como Rui Costa de quem, mais do que o Benfica, mais se queixou?
Já para não falar dos outros "nomeados" pelo sindicalista da CGTP em Braga.
É preciso fazer um desenho para juntar pressões sobre árbitros e benefícios ao Benfica?
Por muito menos, e por pressão do Benfica, o Boavista foi despromovido...
Capito? Falamos de famiglia mafiosa da Luz e ramificações do poder difuso mas concentrado em Lisboa!

14 junho 2017

Amadorismo de uma SAD

Honra e mérito ao trabalho do Chico Marques na divulgação dos email que transpiram a fraudes acumuladas do Benfica.
Ele insiste no "trabalho" do Torto canal, uma espécie de coisa nenhuma que me voltou a decepcionar ao assistir ontem, pela 1a vez, a  um programa completo, salvo uma entrevista benfazeja a Pinto da Costa pelos 30 ou 31 anos de presidência - o canto do cisne.
E além da entaladela ao Benfica, com evidente tráfico de influências que é punido com descida de divisão pelo artigo. 65° do regulamento de competições, quem sai mal é o palhaço do Vítor Pereira, porque do excremento Mário Figueiredo já se tinha dado conta.
Não vou esmiuçar os pormenores, até porque os árbitros da corja foram sendo vistos ano a ano, jogo a jogo, do sobe-e-desce do Nuno Almeida que de tão medíocre chegou a internacional, salvo erro, ao novato João Pinheiro que notei logo à 1a aparição em Setúbal...
Ao longo dos anos, além de apontar sempre prejuízos de arbitragem ao FC Porto mesmo nos anos do Tetra, mais a particularizaçao de alguns nomes como Vasco Santos e Manuel Mota, também associei o vermelho desportivo ao aparelho político, dois cancros que minam Portugal. Um comentador, bom rapaz e cheio de Salamaleques para não acirrar os mouros, repisou o argumento mais de uma vez... Adiante.
Das muitas críticas que sempre fiz ao FC c Porto foi negligenciar a Liga de Clubes, onde por muitos anos os principais dirigentes portistas primaram pela ausência. Esse amadorismo de gente bem paga para defender o clube mas não cumpriu a obrigação, está a ver-se no que deu.
O amadorismo do FC Porto na sua estrutura profissional de gestão reflectiu-se na criação dessa aberração inútil que foi o Torto Canal.
Pois bem, este trabalho de fundo dos email devia ter imagens de lances, dúzias delas, e árbitros, montes deles, a ilustrar cada nome, cada acção, cada benefício ao Benfica e prejuízo ao FC Porto.
Dar só dois lances, avulso e caídos do nada, revela o amadorismo de quem fãz televisão no FC Porto.
Falar de Paulo Costa e não associar Filipe Vieira e Vítor Pereira, muito menos o irmão Rui Costa, ou não mostrar o que era Paulo Baptista ou como se moldou Nuno Almeida deixa só os emails como palavras no ar.
Como o decrépito presidente esperou, um dia, que jornalistas perguntassem pela arbitragem num jogo na Luz, em que Soares Dias negou 2gp ao FC Porto, no FC Porto devem estar à espera que as tvs do regime mostrem o que foram dezenas de arbitragens destruidoras da credibilidade do campeonato e da legitimidade dos últimos 3 títulos fraudulentos do Benfica. Porque apesar do começo do proteccionismo pelo manto vermelho em 2013-14, nesse ano o Benfica foi mesmo muito superior à concorrência.
O FC Porto continua sem fazer trabalho constante e assíduo que uns fogachos não completam.
A não ser, como preconizei mal a época acabou e face ao acordo com o Sporting, que se parta mesmo para a impugnação do campeonato e obrigar o corta-fitas do Fernando Gomes na FPF a tratar de limpar a porcaria na federação e no seu futebol de campeões da treta.
Porque só denúncias e avisos não fazem mossa real. Há que pôr o país a fogo como há 10 anos.
Do amadorismo portista ao amadorismo benfiquista.
Na Luz podiam dizer que o pessoal recrutado na Invicta faz o que fez nas Antas, mas isso seria machucar o Paulo Gonçalves e desmascarar o Jorge Gomes alegado scouter na América do Sul...
Ao Benfica não serve ainda trazer à colação o pifio dourado, pois hoje tratá-lo de documentos com gente, nomes e cargos, com palavras reais e posições oficiais dissimuladas mas mafiosas, contra alegadas revelações de uma alternativa vingativo e ressentida manipulada por um escritor de segunda com nome feminino e apelido de fruta seca.
Não se pode confundir os dois casos, como o FC Porto não pode deixar esvaziar o "momentum", sendo que a SAD ainda não tomou posição - e o director de comunicação insiste em falar de trabalho jornalístico de uma redacção sem chefia nem editorial - para não falar do director geral mestre de cerimónias que a entrevistar o decrépito presidente defendeu que no se devia falar dos árbitros...
O amadorismo do FC Porto também é um poço sem fundo. Bateu nisto.

07 junho 2017

Apito silenciado, um fait-divers para o decrépito presidente

O FC Porto devia estar ao ataque a sustentar a denúncia de cambalachos com os árbitros em favor do Benfica, o que se comprova no proteccionismo arbitral já conhecido ainda que os emails revelados sejam da época em que o Benfica menos precisou das ajudas do costume - o título e êxitos de 2013-14 foram mais por essa equipa de Jorge Jesus ser claramente mais forte e outras muito fracas, como o FC Porto incapaz de ganhar a eliminatória da Taça de Portugal em que teve resultados a favor (1-0 no dragão e 1-1 na Luz, depois 1-2 que servia a poucos minutos do fim).
O que, no entanto, acabou por suceder durante o day-after foi o habitual silêncio institucional... Aliás, na altura em que se prepara a chegada do novo treinador, está denúncia contra a máfia do Benfica cai mal. Não suscitou noticias nos suspeitas do costume, como o pasquim da Bolha e o canal TVIrgonha. Conveio a ambos falar só de Sérgio Conceição e chegou. O FC Porto não tem agenda, ou tem-nas sobrepostas?
Certo é que de Pinto da Costa nem pio, agora limitado a arrastados discursos gastos junto de quem o atura e para quem, pelo que diz o patético presidente portista, ele trabalha - os críticos não estão com ele e ca ça fodam, portanto...
Ainda bem que, entretanto, se urdiu um pequena aliança com o Sporting, esse inimigo fidagal. Não fosse isso, e havia o risco de Bruno de Carvalho dizer que isto era fait-divers e assunto para vender jornais - como o decrépito presidente do FC Porto catalogou os vouchers do Benfica aos árbitros denunciados pelo Sporting.
Com o Chico Marques a ln éter a carne toda no assador, parece haver comunicação, interesse mediático e estímulo aos desencorajar adeptos portistas a duas velocidades.
A de devagar e parado foi no tempo recente em que nada bulia no FC Porto morto institucional e desportivamente.
Claro que assim dão-se justificações para alguns meios de comunicação social nada noticiaram. A RTP ao almoço fez uma peça minimalista. A SICK, mesmo que já pelas 14.20h de ontem, conseguiu meter um trecho da leitura dos emails bem mais interessante é abrangente.
Apetece mesmo dizer que dava jeito ter Rui Cerqueira no telejornal do almoço na RTP igualmente emitido desde o Monte da Virgem. Semanas a fio, aquele que até há pouco tempo foi, cof cof, director de comunicação do FC Porto, passava todas as notícias do Correio da Manhã sobre o que Carolina Salgado dizia dos árbitros num pifio dourado.
Baço como figura no FC Porto e Yen man para servir o decrépito presidente desde que chegou ao FC Porto, Rui Cerqueira na RTP faria um vistaço para estas notícias. Ou talvez não. Não estranhem o que se passa, portanto, porque surpresas nos nomes dos "amigos" do Benfica não há nenhumas.

04 junho 2017

Em nome do pai e do filho, depois do Espírito Santo

NEScio foi sem deixar saudades nem suscitar, salvo aos louvaminheiros da paróquia, atestados de boa fé se abdicou de salários ou não. Vem Sérgio Conceição, ex-jogador da casa, como o anterior, mas um perfil quase nos antípodas de quem o precedeu. Um tiro, mais um, no escuro. Mas não só...
Depois da entrega ao Jorge Mendes, com a sodomia já conhecida e que até obrigou a um acto de contrição do decrépito presidente, temos um treinador Doyen, pelo menos à primeira vista.
À segunda vista, até pela ligação comercial não despicienda do passado recente, Sérgio Conceição não deixa de estar ligado a Alexandre Pinto da Costa. Não bastava a caterva de jogadores via filho pródigo do decrépito presidente que tanta celeuma já deu. Quando se pensava que o saldo estaria consumado em equilíbrio por via de prejuízos passados, este Sérgio Conceição treinador vem embrulhado pelo serviço Doyen, mas nunca se sabe...
Sou do tempo de Pinto da Costa ter entregue ao legítimo representante do jogador Sérgio Conceição vendido à Lazio em 1997 ou 98, salvo erro, a comissão pelo negócio. O bem de Luciano d'Onofrio foi cerca de 200 mil contos em comissões de perda de Alexandre PdC que apresentou ao FC Porto a transferência como consumada... Era tempo da zanga de pai e filho, com Alexandre nos braços de José Veiga e volta e meia cicerone de Luís Filipe Vieira no Porto, quem não se lembra de uma chegada ao Bessa de braço dado...
Pois por tralhas e por malhas lá chega, agora, Sérgio Conceição ao Dragão que não conheceu como jogador, tal como era do tempo do FC Porto hegemónico rumo ao Penta de 1999 que ele não viveu, mas triunfou na Lazio na Europa (Taça das Taças de 1999, a última disputada na sua história em Birmingham) e na Série A campeão em 2000.
Estes cruzamentos tão medidos nos bastidores como eram os da linha de fundo do ex-extremo direito portista, remete ainda para a atàvica inoperância da SAD, que se entrega aos amigos de Peniche do costume. É que tal solução, seja a primeira ou a quinta opção, significa que o NEScio esteve para ficar até ao fim. Prova de que o mau trabalho patente praticamente em toda a época, salvando-se o apuramento com a Roma, não era assim avaliado pelos incompetentes dirigentes!
Não admira que os treinadores falhem, com dirigentes da treta. Esgotada a proverbial sagacidade de o agora decrépito presidente escolher treinadores, o que se vê nunca ter sido verdade, não sabem avaliar o que passa aos olhos de todos! NEScio, que nem se fosse campeão tinha condições para ficar, como eu disse depois do clássico da Luz, esteve mesmo para ficar; afinal, teve mais vergonha do seu desempenho que a vergonhosa incapacidade de a gestão desportiva de avaliar o seu desempenho como prova da inaptidão da estúpida, pacóvia e falhada administração que nunca paga pelos seus erros, que é um Deus nos acuda, com ou sem Espírito Santo.
Ainda mandam o pai e o filho. Um dia, esperemos que os mandem borda fora. Já chega!

21 maio 2017

NEScio superou dois testes: princípio de Peter e lei de Murphy

Nem sequer chegou às 23 vitórias da malfadada época passada em que a misericórdia em que se tornou o FC Porto dos inválidos a começar pelo decrépito presidente levou a consumir três treinadores...
Também acaba sem os registos de melhor ataque e melhor defesa...
Termina a 6 pontos do 1° classificado que queria e podia e devia ter ultrapassado há 6 jornadas atrás mas só somou 2 vitórias e nem um empate conseguiu para se despedir, apático e estúpido na sua inoperante empatia e desesperante falta de energia e liderança, o NEScio conseguiu, esperando a justa indemnização por um ano de trabalhos a que nos poupa a todos.
O FC Porto era muito acima das capacidades, como impõem os limites do princípio de Peter, deste treinador medíocre que o decrépito presidente tentou por arrasto de convencer o empresário Jorge Mendes com jogadores a la carte baralho viciado fértil de segundas escolhas e más opções.
E para cumprir o que de negativo atrai um fraco astral para a lei de Murphy, se tudo tinha de correr mal até correu pior para este NEScio que nem inventado e nem inventando voltar a jogar com as libelinhas todas da caderneta que desde o início da época me irritaram profundamente e me fizeram, cedo, antever este fracasso rotundo: jogar com Danilo (vindo de lesão e claramente sem forma), Herrera, André André e Otávio recuperou o ramerrame de Agosto e Setembro, agora com Soares a servir de meco isolado como foi André Silva no começo da época.
Absolutamente deplorável este fim de curto ciclo da mediocridade repetida em que se vulgarizou o FC Porto, que fez apenas mais 3 pontos do que na época passada em que, ao contrário da tonta e fictícia verdade oficial, foi bem mais prejudicada pelas arbitragens nos 15 pontos a que ficou do vencedor da liga viciada e nojenta que se serve em Portugal.
A equipa acaba sem ter a noção de como jogava, com "10" ou só a metade, como é Otávio a fazer lembrar Carlos Eduardo, ou se deve ter um ou dois pontas de lança.
Numa desastrosa política desportiva caótica nos últimos 5/6 anos, temos jogadores comprados em definitivo esta época na porta de saída, como Layun; um poste para os jogos caseiros complicados que mostrou utilidade com o Chaves já que a Champions lhe estava regulamentarmente vedada no play-off, como Depoitre contratado pelo treinador que o ostracizou depois; um médio banal e sem corrida nem remate que custou 20M€ mas desapareceu no banco, como Oliver jogador das eirinhas; e uns 20M€ que não se podem gastar num valor nacional com mais margem e potencial de progressão, como Diogo J, mas que por razões óbvias não tem condições para ficar com ou sem NEScio que tanto o usou, o queimou e o esqueceu.
A época do FC Porto foi ganha pela entrada na Champions, face à inesperada eliminação da Roma mais atrasada na preparação, e foi o que escrevi então.
Com Felipe a oferecer dois golos hoje e Marcano mal posicionado no 1° do Moreirense até tivemos o reeditar dos erros primários defensivos que serviram a manutenção dos minhotos.
Se é a única coisa positiva, com confirmação do horrível Corona incapaz de ser extremo numa equipa sem saber ser forte por aí e marcando muito menos, eis o leigo nefasto de péssima gestão técnica e administrativa que, obviamente, começa numa SAD incompetente e arrepiantemente amadora e atàvica, em que se insere a escolha do que pode ser descrito, resumidamente, como o diário de um banana.

17 maio 2017

A guerra do Solnado chegou ao FC Porto

Não pára o ridículo da comunicação do FC Porto. Enquanto faz e desfaz e diz que diz em mais um vergonhoso caso de silenciamento de adeptos, pelas tarjas censuradas de domingo, agora entramos no domínio do onde fomos mais prejudicados por arbitragens nefastas. Brincadeira de crianças ou o retomar daquelas guerras do Solnado com alternância de dias de peleja, de descanso e um sobrante para quiçá ir à missa dominical?
Não se riam, mas com as mesmas pessoas em funções há já alguns apitos, temos que se criou, agora, o axioma, ou fatwa qual sentença islâmica, sobre o maior prejuízo desta época.
O Solnado pactuar com o inimigo para alternarem os dias de ataque ao inimigo: terças, quintas e sábados para uns, segundas, quartas e sextas para outros...
As muro de silêncio dos últimos anos, que ensurdeceu adeptos de indignação, temos agora uma espécie de Marcelo Rebelo de Sousa picareta falante no Dragão. O muro virou um biombo para ocultar responsabilidade superior. Os departamentos de comunicação dos clubes servem para isso. Eu já adivinhava, porque a vitimizaçao subitamente descoberta iria servir para a desresponsabilização dos dirigentes.
E quando tanto há para discutir na área desportiva, do incompetente treinador ao Oliver que custou 20M€ a meio da época para acabar no banco e quase incógnito no último mês, eis que o antes inexistente departamento de comunicação agora demandado em roda livre, é quem faz falar de si.
O tetra bafiento do clube da APAF e do regime tout court está assente em 3 épocas de benefício arbitrário sem comparação, salvando-se 2013-14 onde o Benfica foi claramente melhor, ressuscitado do desastre de 2013 enquanto o golpe de Kevin despenhou o FC Porto....
Pois as mesmas pessoas que deixaram Lopetegui falar sozinho contra a roubalheira querem convencer-nos que há dois anos o colinho não foi nada, comparado com esta época...
São os mesmos que nada comunicaram, não protegeram a equipa e o treinador e não teceram um murmúrio contra o colinho que se abespinham, desde Abril, contra a designada Liga Salazar. A clique comunicativa chamada a proteger a claque presidencial só agora reparou no que era público e notório. E, como Solnado, achou ser o dia da semana para entrar na guerra que há anos sepultou o FC Porto no seu incompreensível silêncio.
Eu sei que o FC Porto foi roubado dos títulos em 2015 e este ano. Mas sei mais do que contabilizar erros de um ano ou outro. Porque não admiti a bonomia com que o FC Porto aceitou ser roubado pelo Xistra na Luz, pela gp engendrada pelo Jonas que não causou mossa ao parvo do treinador, ajoelhado ante os infiéis, e aceite pelo decrépito presidente.
Ora, fora muita coisa mais, como as premonições do que seria cada época, eu estou à vontade para voltar a perguntar se os ex-jornalistas que passaram a encher os corredores do poder no Dragão seriam capazes de subscrever, enquanto tais, o que assalariados portistas agora asseveram...
Mais: um destes há uns anitos quis fazer-me acreditar que o FC Porto ia denunciar não sei o quê do Benfica e lhe tiraria pontos na secretaria - ora, o mínimo que espero deste pindérico acordo com o Sporting, tipo cartas de amor, quem as não tem, é impugnarem o campeonato logo após o fds!
Eu posso garantir que não, os jornalistas que conheci não se atreveriam a nada que fugisse ao politicamente correcto que domina a bovina comunicação social, até porque ao vivo e de viva voz ouvi e senti vários destes protagonistas, quase todos na sombra do eucalipto presidencial, asseverarem o contrário...
Das críticas aos adeptos, que se repetem, à reviravolta de costumes no tratamento dos casos de arbitragem, é tudo tão triste no FC Porto que só falta o corta-fitas mestre de cerimónias director do Torto Canal entrevistar, como há dois anos com o colinho, o decrépito presidente no pressuposto de que não devemos falar de arbitragens quando a equipa falhou por mais de uma vez o assalto à liderança.
Até o Solnado se riria e ele era mesmo e só do Belenenses...

15 maio 2017

Video-arbitro em acção...

Pronto, confirmando as credenciais marcantes em mais uma época vergonhosa, os 3 estarolas do Porto chamados aos jogos dos grandes usaram as suas idiossincrasias de cinismo incompetente numa fama de já os precede.
Jorge Rouba ofereceu mais uma GP invisível ao Benfica ou ia ficar mal na festa. Uma falta não detectada para haver um golito na 2a parte, tão inefável como uma falta descortinada só por ele a anular um golo a André Silva frente ao V. Guimarães...
(V)Aasco Santos conseguiu a proeza de marcar um penalty pelo último defesa do Sporting sem expulsar Artur Semedo nem por ser ocasião gritante de golo com avançado na cara de Rui Patrício...
Artur sonso Dias já não marca só 2 gp contra o FC Porto no Dragão. Ah, já não se lembram... O borra-botas que já experimentou ser Video-arbitro devia ver em vídeo o 1° penalty assinalado frente ao PF: sem falta do defesa pacense, a não ser falta de força de Brahimi no desarme limpo com opositor fisicamente mais forte.
Como estes lances seriam, serão, porque se repetirão sempre, ajuizado com recurso a vídeo?
Já no indiscutível 2° penalty, o agarrao a Diogo J é igual a muitos não marcados ao longo da época e que o FC Porto tanto reclamou. Tanto, não, porque o silêncio estúpido foi ensurdecedor, só quebrado de forma idiota e desesperada após uma inenarrável defesa da arbitragem do Xistra na Luz.
Depois esta gente quer ser levada a sério e queixa-se ser alvo do gozo dos árbitros...

12 maio 2017

Os árbitros do Porto e as queixas do FC Porto

O FC Porto voltou a ser muito prejudicado pelas arbitragens e há anos que é assim, com ênfase nos últimos campeonatos. Não invalida a falta de estofo de campeão que minimiza a equipa em cada ano. E os descarados benefícios ao Benfica nem lhe reforçam esse estofo nem legitimam títulos garantidos, diria alguém com arrufo de profeta ou arcanjo-proveta, serem tributos dos árbitros ao Benfica.
E se o FC Porto já era mais prejudicado antes, passou a sê-lo depois. A passividade e bonomia com que mais uma arbitragem pró Benfica com que responsáveis portistas, como treinador e presidente, brindaram Xistra na Luz foi desadequada, irresponsável e, escrevi eu logo, retirava qualquer crítica aos árbitros dali para a frente.
Houve um devaneio singular quando foi assinalado um penalty frente ao Belenenses com 2-0 e que fixou o 3-0 final. Disse a quem me rodeava que tal não seria marcado se estivesse 0-0. O que sucedeu depois, em lances similares, voltou a dar-me razão, da mesma forma que confirmava a leviandade e inusitada confiança nos árbitros com que no Dragão confiavam chegar ao título sem interferências indevidas, aqueles "factos estranhos que não deveriam acontecer"...
Subitamente, o FC Porto silencioso ante os roubos escandalosos dos últimos anos falou de arbitragem todas as semanas, incluindo Xistra em Braga pelo seu critério disciplinar que não destoou do observado na Luz... E, claro, penalties descarados voltaram a ser negados por Rui Costa, frente ao Feirense, como no início do ano passado com o Rio Ave...
Agora que a cada dia vem à baila os erros dos árbitros que o FC Porto nunca denunciou para estupefacção dos seus apoiantes que também se escandalizaram com Xistra na Luz, são árbitros do Porto nomeados para jogos dos 3 grandes na semana que pode decidir o título de campeão que a arbitragem tuga tem como missão indeclinável entregar ao Benfica.
O parolo sonso do treinador que, natural do paralelo 0 em S. Tomé, nem é carne nem peixe, antes pelo contrário, também passou a valorizar o que penalizou o seu penoso e desvalorizado trabalho.
A Comissão de arbitragem nomeou árbitros do Porto para os jogos dos 3 grandes na semana que pode decidir o título atribuído pela arbitragem tuga ao Benfica como missão indeclinavel cumprida à risca, como num guião conhecido de filme repetido de série B num campeonato miserável.
Isto quando aparece André Silva a reforçar críticas às arbitragens, mencionando até 2 golos seus mal anulados - não só mal anulados, mas sem nunca se vislumbrar razões técnicas para serem invalidados.
Mas tudo isto é tão frouxo e amador que o puto não concretizou. Ora, foi na fortaleza do Dragão que piores atentados aconteceram. E, precisamente, Jorge Sousa negou um golo frente ao V. Guimarães e outro foi por Artur Soares Dias frente ao Benfica.
Sublinhe-se, dois árbitros alegadamente alvo de ameaças por uns arruaceiros, nunca confirmadas, e não por acaso, nem por mão invisível, designados agora para a Luz e o Dragão!
Assim brincam com a dignidade portista, confirmam a máfia das designações em nomeações a la carte e com desígnio superior estudado maleficamente.
Mas, entretanto, deslocando do foco essencial, sai um improvável acordo com o Sporting num manifesto pindérico que contempla sanear um avaliador de... observadores de árbitros.
Si non é vero é ben trovato e o assalto da famiglia mafiosa continua até ao banquete final com ar zombeteiro a gozar com a cara de Sporting e FC Porto.
Um final adequado para uma peça em reposição sem dignidade de conteúdo ou valorização dos actores secundários em tragicomédia pifia.
Um descaramento assombroso a derradeira cuspidela na cara de agentes desportivos e adeptos em geral.
Convinha frisar isto e não crer em coincidências.

04 maio 2017

Video-arbitro estrangeiro ou da BTV?

O futebol português é mau. Mal jogado, mau exemplo onde se aplaude o espírito rasteiro e a sucia esperteza do encosto, empurrão e queima de tempo até com hossanas ao jogo defensivo no alto de autocarros de dois andares. É mal apitado, mal filmado e mal comentado.
Penso ser consensual esta genérica mas abrangente avaliação. É até mal dirigido, apesar dos auto-elogios frequentes culminado agora no Fernando Gomes da FPF que se põe em bicos de pés para uma comenda do Marcelo, pelo Euro-2016, permitindo-se continuar depois do fiasco Mundial-2014 onde, na sua versão, "não fomos competentes".
Agora, depois de tanto tempo calado conivente com a pouca-vergonha que se tem passado, diria o magnânimo presidente do Benfica à espera de beatificação súbita no dia 12 com o Papá certo, proclama-se o video-arbitro.
Em principio, devia ser a Liga a anunciar, ou não seja o campeonato da Liga, Salazar ou Calabote à discrição, mas o ex-arbitro que a dirige continua em silêncio, como diz o outro, salvo pedir tréguas no jornal do regime por um ecumenismo falso e impraticável em terra de infiéis e maltrapilhos.
Esta é, FPF ou Liga, a organização que permite a um clube filmar, sob alegada isenção jornalística ainda mais tortuosa de definir que um cardápio de boas maneiras de seguidores do EI, os jogos do campeonato em sua casa...
Estão a ver as imagens de lances discutíveis na Luz, serem disponibilizadas para comentário de alguém imparcial como o António Rola que uma vez o Jaime Pacheco, ainda no V. Guimarães, disse ir recomendar aos "columbófilos da minha terra"... ainda esse árbitro rasteirinho de tamanho e honestidade apitava...
A SporTv não consegue, nem nos jogos mais importantes onde multiplica meios técnicos e humanos, ter câmaras que dissipem sequer a dúvida básica mas objectiva da bola e da linha de baliza, para não falar de estádios provincianos onde há mais zonas não filmadas do que vacas nas hortas das redondezas... E é nesta base que se acredita haver imagens para boas avaliações...
Eu começo por aqui, porque sem elas não há boas decisões.
Agora, com elas olhemos para quem pode avalia-las. Ex-arbitros que nunca foram honestos no campo e prosseguem nas colunas de jornais a sua cegueira clubística? Um Duarte Gomes? O Lucílio vigarista? O João "pode vir o João" Ferreira?...
Um Pedro Henriques cujas frequentes dissonâncias com o painel levou à saída do Tribunal de O Jogo? Que dizer de painel raramente unânime na avaliação dos mesmos lances, e só sob essa unanimidade o próprio jornal leva tal julgamento à capa como notícia?
E quererem reduzir isto a mera economia e custos de implantação dos meios necessários é ridículo, lendo que o sistema custaria 28 mil euros por jogo contra os 30 mil por jogo que leva a tecnologia de linha de baliza em Inglaterra onde as imagens são absolutamente claras e sem margens para dúvidas, com decisões de valide inabalável!
Por fim, iriam retirar vida e extras financeiros a essa parolada do comentadeirismo televisivo, parte integrante da falsidade e desonestidade da bola tuga a que não são alheios os responsáveis editoriais moralmente culpados do deboche a que se chegou!
Mas se for implementado o video-arbitro e confiando no juiz de serviço, será o reconhecimento da luta de Bruno de Carvalho neste campo. Ou seja, aquele em quem, pelas reivindicações e intervenções mesmo que pouco razoáveis, os portistas devem olhar com saudades para o Pinto da Costa que já tiveram.
De qualquer modo, como não confio em ninguém, reclamo o que há mais de uma década passei a defender, sim, mesmo quando era o FC Porto tetracampeão... Que seja estrangeiro o avaliador, tal como preconizo para os jogos dos grandes!
Tudo o resto é conversa para boi dormir. O jornalismo panfletário e de caserna pode sossegar tanto quanto aquiesce na penalização serôdia por pontos devido a críticas aos árbitros... Olha, uma parvoíce, essa, saída da pacovia Liga, precisamente.
Isto é, sem a intromissão da APAF e nunca mais se ter ouvido o Evangelista dos salários em atraso ou o Rui Prantos da Verdade Desportiva levada à AR que é outro antro de deputado, o exemplo da manta de retalhos e da gestão sem rei nem roque.
Tudo mal, na mesma. Já Paulo Bento dizia, até depois de um Benfica-Sporting com o inefável Pedro Henriques, sobre os árbitros profissionais: são maus árbitros, passam a ser maus profissionais.
Foi das raras vezes que UE concordei com Paulo Bento. E ele é eu tínhamos razão.